PENTATEUCO KARDEQUIANO

PENTATEUCO  KARDEQUIANO
OBRAS BÁSICAS

Thursday, January 18, 2018

CONSELHOS, REFLEXÕES E MÁXIMAS DE Allan Kardec



FRAGMENTOS EXTRAÍDOS DOS DOZE PRIMEIROS ANOS DA Revue Spirite
                Revue Spirite, 1864, pg. 141: “A força do espiritismo não reside na opinião de um homem ou de um espírito; ela está na universalidade dos ensinamentos dados por estes últimos. O controle universal, como o sufrágio universal, decidirá no futuro todas as questões religiosas; ele fundará a unidade da doutrina bem melhor que um concílio de homens. Esse princípio, estejam certos disso, senhores, abrirá seu caminho como aquele de: Fora da caridade não há salvação, porque está fundado sobre a mais rigorosa lógica e a abdicação dos personalismos. Ele não poderá contrariar senão os adversários do espiritismo, e aqueles que têm fé unicamente em suas luzes pessoais. ”
                Revue Spirite, 1864, pg. 235 “O espiritismo é uma fé íntima; ele está no coração e não nos atos exteriores, ele não prescreve coisa alguma que seja de natureza a escandalizar aqueles que não compartilham essa crença, ele recomenda se abster disso por espírito de caridade e de tolerância. ”
                Revue Spirite, 1864, pg. 100: “Se a doutrina espírita fosse uma concepção puramente humana, não teria por garantia senão as luzes daquele que a teria concebido; ora, ninguém neste mundo poderia ter a pretensão fundamentada de possuir exclusivamente a verdade absoluta. Se os espíritos que a revelaram tivessem se manifestado a um único homem, nada lhe garantiria a origem, pois seria preciso acreditar na palavra daquele que diria haver recebido deles o ensinamento. Admitindo-se de sua parte uma perfeita sinceridade, no máximo ele poderia convencer as pessoas de seu círculo: ele poderia ter seguidores, mas jamais conseguiria agregar todo mundo. Deus quis que a nova revelação chegasse aos homens por um caminho mais rápido e mais autêntico; é por isso que encarregou os espíritos de levá-la de um polo a outro, manifestando-se por toda parte, sem dar a ninguém o privilégio exclusivo de ouvir sua palavra...”

Wednesday, January 17, 2018

CONSELHOS, REFLEXÕES E MÁXIMAS DE Allan Kardec





CONSELHOS, REFLEXÕES E MÁXIMAS DE Allan Kardec
FRAGMENTOS EXTRAÍDOS DOS DOZE PRIMEIROS ANOS DA Revue Spirite
.... Para melhor apreciar Allan Kardec devemos estuda-lo em sua obra, pois quanto mais estivermos em condições de julgar melhor os méritos desse profundo pensador, mais crescerão nossa ligação e nosso respeito por ele. ...
                Revue Spirite, 1865, pg. 92: “O espiritismo não reside apenas na crença na manifestação dos espíritos. O engano daqueles que o condenam é acreditar que ele consiste somente na produção de fenômenos estranhos, isso porque, não se dando o trabalho de estuda-lo, não veem senão a superfície. Esses fenômenos são estranhos para quem não lhes conhece a causa, mas quem quer que se aprofunde não vê neles senão os efeitos de uma lei, de uma força da natureza que não se conhecia, e, por isso mesmo, não são nem maravilhosos nem sobrenaturais. Esses fenômenos evidenciam a existência dos espíritos, que são apenas as almas dos que viveram, o que prova, por conseguinte, a existência da alma, sua sobrevivência ao corpo, a vida futura com todas as suas consequências morais. A fé no futuro, encontrando-se apoiada em provas materiais, torna-se inquebrantável e triunfa sobre a incredulidade. Eis por que, quando o espiritismo tiver se tornado a crença de todos, não haverá mais incrédulos, nem materialistas, nem ateus. Sua missão é combater a incredulidade, a dúvida, a indiferença; ele não se dirige, portanto àqueles que não creem em nada, ou que duvidam. O espiritismo não diz a pessoa alguma para abandonar sua religião; ele respeita todas as crenças quando são sinceras. A liberdade de consciência é a seus olhos um direito sagrado; se ele não a respeitasse, atentaria contra seu primeiro princípio, que é a caridade. Neutro entre todos os cultos, ele será o elo que os reunirá sob uma mesma bandeira, aquela da fraternidade universal; algum dia eles se estenderão a mão, em vez de lançarem o anátema.
                Longe de serem a parte essencial do espiritismo, os fenômenos não passam de um acessório, um meio suscitado por Deus para vencer a incredulidade que invade a sociedade: ele está sobretudo na aplicação de seus princípios morais. É nisso que são reconhecidos os espíritas sinceros. Os exemplos de reforma moral provocados pelo espiritismo são bastante numerosos para que se possa julgar os resultados que ele produzirá com o tempo. É preciso que sua potência moralizadora seja bem grande para triunfar sobre os hábitos inveterados pela idade e a leviandade da juventude. O efeito moralizador do espiritismo tem como causa primeira o fenômeno das manifestações que deu a fé; se esses fenômenos eram uma ilusão, como pretendem os incrédulos, seria preciso abençoar uma ilusão que dá ao homem a força para vencer suas inclinações ruins. ”